• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp
  • banner aprovados

Tira Dúvidas

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Sarampo

30 de Agosto de 2019

Resumo: sarampo é uma doença viral extremamente grave que pode até mesmo levar à morte. A forma de prevenção dessa doença é a vacinação.

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Brasil Escola/ UOL 

Sarampo é uma doença causada por vírus que pode ser transmitida de uma pessoa para outra por meio de secreções eliminadas quando o doente fala ou tosse, por exemplo. 

Essa doença pode desencadear complicações graves, e, portanto, é fundamental a vacinação, sendo esta a única forma de prevenção.

O sarampo, como dito, é uma doença causada por um vírus. Nesse caso, trata-se de um vírus de RNA que pertence ao gênero Morbillivirus, da família Paramyxoviridae. O ser humano é o único reservatório conhecido desse vírus.

Transmissão 
O sarampo é uma doença que é transmitida por meio do contato com secreção contendo o vírus que é eliminada pelo doente ao falar, tossir ou mesmo respirar. O modo de transmissão dessa doença favorece o contágio.

O Brasil recebeu em 2016 o certificado de eliminação do sarampo concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde. Infelizmente, o país enfrenta, desde fevereiro de 2018, um surto de sarampo.

Sintomas do sarampo
O sarampo é responsável por desencadear uma série de manifestações clínicas, sendo seu período de incubação cerca de 10 dias. 

Febre alta (geralmente acima de 38,5 ºC)
Tosse
Coriza
Dores de cabeça
Conjuntivite
Manchas vermelhas no corpo
Manchas brancas nas mucosas (sinais de Koplik)

Os sintomas do sarampo são divididos, segundo o Ministério da Saúde, em três períodos:

Período de infecção: quando surgem os principais sintomas da doença, como febre, tosse, coriza, conjuntivite e sensibilidade à luz (fotofobia). Esse período dura, aproximadamente, sete dias, sendo que, do segundo ao quarto dia, inicia-se o surgimento de manchas pelo corpo. Um ponto importante a ser destacado é a necessidade de alerta, caso observe-se a presença de febre por mais de três dias após o surgimento de manchas no corpo, podendo ser isso um sinal de complicações.

Remissão: quando, como o nome indica, ocorre uma redução dos sintomas da doença. As erupções na pele escurecem-se, e, em algumas pessoas, observa-se a presença de uma descamação fina.

Período toxêmico: quando se observa um comprometimento da resistência do organismo humano, sendo favorecida a superinfecção viral ou bacteriana.

Complicações 
O sarampo é uma doença grave capaz de evoluir para complicações que podem até mesmo levar à morte. Dentre as complicações, podemos citar a pneumonia e a encefalite. Vale destacar que essas podem também deixar sequelas, como surdez, redução da capacidade mental, cegueira e retardo no crescimento. Não podemos esquecer-nos de que a doença pode matar tanto adultos quanto crianças, sendo essa uma das principais causas de morbimortalidade entre crianças menores de cinco anos.

Tratamento 
O sarampo é uma doença que não possui um tratamento específico, ou seja, não há medicamentos que visam curá-lo. Os medicamentos utilizados nos pacientes com a doença visam apenas controlar os sintomas ou tratar uma complicação.

Vale destacar que, apesar de não haver medicamento específico, a Organização Mundial de Saúde recomenda que crianças que apresentam a doença recebam doses de vitamina A. Essa administração possui como principal objetivo evitar que quadros graves desenvolvam-se nelas.

Prevenção 
No caso do sarampo, a única forma de prevenção é a vacinação. Atualmente, é recomendado que a criança tome uma dose de vacina tríplice viral aos 12 meses de idade e uma dose da vacina tetra viral aos 15 meses de idade. Veja a seguir o esquema vacinal do sarampo para não vacinados.

Esquema vacinal do sarampo para não vacinados

- Crianças de 12 meses a menores de cinco anos: uma dose aos 12 meses de idade (tríplice viral) e outra aos 15 meses de idade (tetra viral).

- Crianças de cinco anos a nove anos que perderam a oportunidade de serem vacinadas anteriormente: duas doses da vacina tríplice

- Pessoas de 10 a 29 anos: duas doses da vacina tríplice

- Pessoas de 30 a 49 anos: uma dose da vacina tríplice viral

É importante destacar que algumas pessoas não podem receber a vacina contra o sarampo. As pessoas que apresentam, por exemplo, um caso suspeito de sarampo, não devem vacinar-se. O mesmo vale para as mulheres grávidas, crianças com idade menor que seis meses e pessoas imunocomprometidas.

Atenção: É importante guardar bem o cartão de vacinação para que você possa saber se suas vacinas estão em dia. Caso não tenha a cartão de vacinação e não saiba se realmente você tomou a vacina, procure uma unidade de saúde e atualize suas vacinas.


Resumo: sarampo é uma doença viral extremamente grave que pode até mesmo levar à morte. A forma de prevenção dessa doença é a vacinação.

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Brasil Escola/ UOL 

Sarampo é uma doença causada por vírus que pode ser transmitida de uma pessoa para outra por meio de secreções eliminadas quando o doente fala ou tosse, por exemplo. 

Essa doença pode desencadear complicações graves, e, portanto, é fundamental a vacinação, sendo esta a única forma de prevenção.

O sarampo, como dito, é uma doença causada por um vírus. Nesse caso, trata-se de um vírus de RNA que pertence ao gênero Morbillivirus, da família Paramyxoviridae. O ser humano é o único reservatório conhecido desse vírus.

Transmissão 
O sarampo é uma doença que é transmitida por meio do contato com secreção contendo o vírus que é eliminada pelo doente ao falar, tossir ou mesmo respirar. O modo de transmissão dessa doença favorece o contágio.

O Brasil recebeu em 2016 o certificado de eliminação do sarampo concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde. Infelizmente, o país enfrenta, desde fevereiro de 2018, um surto de sarampo.

Sintomas do sarampo
O sarampo é responsável por desencadear uma série de manifestações clínicas, sendo seu período de incubação cerca de 10 dias. 

Febre alta (geralmente acima de 38,5 ºC)
Tosse
Coriza
Dores de cabeça
Conjuntivite
Manchas vermelhas no corpo
Manchas brancas nas mucosas (sinais de Koplik)

Os sintomas do sarampo são divididos, segundo o Ministério da Saúde, em três períodos:

Período de infecção: quando surgem os principais sintomas da doença, como febre, tosse, coriza, conjuntivite e sensibilidade à luz (fotofobia). Esse período dura, aproximadamente, sete dias, sendo que, do segundo ao quarto dia, inicia-se o surgimento de manchas pelo corpo. Um ponto importante a ser destacado é a necessidade de alerta, caso observe-se a presença de febre por mais de três dias após o surgimento de manchas no corpo, podendo ser isso um sinal de complicações.

Remissão: quando, como o nome indica, ocorre uma redução dos sintomas da doença. As erupções na pele escurecem-se, e, em algumas pessoas, observa-se a presença de uma descamação fina.

Período toxêmico: quando se observa um comprometimento da resistência do organismo humano, sendo favorecida a superinfecção viral ou bacteriana.

Complicações 
O sarampo é uma doença grave capaz de evoluir para complicações que podem até mesmo levar à morte. Dentre as complicações, podemos citar a pneumonia e a encefalite. Vale destacar que essas podem também deixar sequelas, como surdez, redução da capacidade mental, cegueira e retardo no crescimento. Não podemos esquecer-nos de que a doença pode matar tanto adultos quanto crianças, sendo essa uma das principais causas de morbimortalidade entre crianças menores de cinco anos.

Tratamento 
O sarampo é uma doença que não possui um tratamento específico, ou seja, não há medicamentos que visam curá-lo. Os medicamentos utilizados nos pacientes com a doença visam apenas controlar os sintomas ou tratar uma complicação.

Vale destacar que, apesar de não haver medicamento específico, a Organização Mundial de Saúde recomenda que crianças que apresentam a doença recebam doses de vitamina A. Essa administração possui como principal objetivo evitar que quadros graves desenvolvam-se nelas.

Prevenção 
No caso do sarampo, a única forma de prevenção é a vacinação. Atualmente, é recomendado que a criança tome uma dose de vacina tríplice viral aos 12 meses de idade e uma dose da vacina tetra viral aos 15 meses de idade. Veja a seguir o esquema vacinal do sarampo para não vacinados.

Esquema vacinal do sarampo para não vacinados

- Crianças de 12 meses a menores de cinco anos: uma dose aos 12 meses de idade (tríplice viral) e outra aos 15 meses de idade (tetra viral).

- Crianças de cinco anos a nove anos que perderam a oportunidade de serem vacinadas anteriormente: duas doses da vacina tríplice

- Pessoas de 10 a 29 anos: duas doses da vacina tríplice

- Pessoas de 30 a 49 anos: uma dose da vacina tríplice viral

É importante destacar que algumas pessoas não podem receber a vacina contra o sarampo. As pessoas que apresentam, por exemplo, um caso suspeito de sarampo, não devem vacinar-se. O mesmo vale para as mulheres grávidas, crianças com idade menor que seis meses e pessoas imunocomprometidas.

Atenção: É importante guardar bem o cartão de vacinação para que você possa saber se suas vacinas estão em dia. Caso não tenha a cartão de vacinação e não saiba se realmente você tomou a vacina, procure uma unidade de saúde e atualize suas vacinas.

Conheça outras atividades

Saiba Mais