• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp
  • banner aprovados

Tira Dúvidas

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Gastrite combina com limão?

26 de Julho de 2019

Por Mariana Araguaia de Castro Sá Lima
Mundo Educação/ UOL 

A gastrite é uma inflamação da camada superficial do tecido de revestimento do estômago: a mucosa gástrica. Estresse, tabagismo, alimentação inadequada, abuso do álcool e a presença da bactéria H. pylori são alguns fatores que propiciam sua manifestação.

Como sintomas, temos queimação, mal-estar, dor de cabeça e, em alguns casos, vômito. Estes ocorrem quando o indivíduo come muito depressa ou fica sem se alimentar em intervalos grandes; e quando ingere determinados alimentos ou sente emoções fortes.

Na medicina popular, vegetais como acelga, alface, cebola, chuchu, mamão, pera e tamarindo são indicados para se tratar desta moléstia. Ouve-se também falar no uso do limão para tal – mas será que essa é uma boa ideia?

Muitas pessoas acreditam que o limão, por ser ácido, pode ser um grande vilão do estômago e duodeno, principalmente para aqueles que são acometidos pela gastrite. Entretanto, não é bem isso o que acontece.

Uma vez ingerido, este fruto, oriundo da planta Citrus limonum, estimula a produção de carbonatos e bicarbonatos orgânicos no nosso organismo. Além disso, o ácido cítrico se oxida, atuando como uma base.

Tais substâncias, aliadas aos outros componentes do limão - felandrina, hidrocarbonetos terpênicos, limonina, óleo essencial, ácidos orgânicos, bioflavonoides, pectinas, vitamina A, vitamina B1, vitamina B2, sais minerais e vitamina C - controlam a acidez estomacal e eliminam resíduos, regenerando os tecidos inflamados. Assim, previne também outras doenças.


Por Mariana Araguaia de Castro Sá Lima
Mundo Educação/ UOL 

A gastrite é uma inflamação da camada superficial do tecido de revestimento do estômago: a mucosa gástrica. Estresse, tabagismo, alimentação inadequada, abuso do álcool e a presença da bactéria H. pylori são alguns fatores que propiciam sua manifestação.

Como sintomas, temos queimação, mal-estar, dor de cabeça e, em alguns casos, vômito. Estes ocorrem quando o indivíduo come muito depressa ou fica sem se alimentar em intervalos grandes; e quando ingere determinados alimentos ou sente emoções fortes.

Na medicina popular, vegetais como acelga, alface, cebola, chuchu, mamão, pera e tamarindo são indicados para se tratar desta moléstia. Ouve-se também falar no uso do limão para tal – mas será que essa é uma boa ideia?

Muitas pessoas acreditam que o limão, por ser ácido, pode ser um grande vilão do estômago e duodeno, principalmente para aqueles que são acometidos pela gastrite. Entretanto, não é bem isso o que acontece.

Uma vez ingerido, este fruto, oriundo da planta Citrus limonum, estimula a produção de carbonatos e bicarbonatos orgânicos no nosso organismo. Além disso, o ácido cítrico se oxida, atuando como uma base.

Tais substâncias, aliadas aos outros componentes do limão - felandrina, hidrocarbonetos terpênicos, limonina, óleo essencial, ácidos orgânicos, bioflavonoides, pectinas, vitamina A, vitamina B1, vitamina B2, sais minerais e vitamina C - controlam a acidez estomacal e eliminam resíduos, regenerando os tecidos inflamados. Assim, previne também outras doenças.

Conheça outras atividades

Saiba Mais