• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp
  • banner aprovados

Tira Dúvidas

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

LHC

17 de Março de 2011

Perigos do LHC

Prof. Anderson Dino

O LHC – sigla para Large Hadron Collider ou em português, Grande Colisor de Hádrons – é um superacelerador de partículas situado nos Alpes Suiços, que entrou em funcionamento de 2008. No LHC, campos magnéticos são gerados com temperaturas mais frias que o espaço sideral, e os prótons, um tipo de hádron, são acelerados com velocidades acima de 99% da velocidade da luz, até se colidirem uns com os outros.

Muitos cientistas, e apocalípticos de plantão, disseram que o LHC seria a Máquina do Juizo Final, porque poderia destruir o planeta, caso entrasse em funcionamento, porque geraria um pequeno buraco negro que engoliria todo o planeta Terra e o Sistema Solar em questão de minutos. Balela! Não há nenhum perigo para o planeta com o funcionamento do LHC. Se você não acredita em mim, pelo menos acredite no Stephen Hawking, o maior físico vivo, que entende do assunto.

“Se as colisões no LHC criarem um micro buraco negro, e isso é pouco provável, ele apenas evaporará novamente, produzindo padrões característicos de partículas”, disse Hawking. E ainda acrescenta: “Colisões com essas, e ainda maiores, quantidades de energia ocorrem milhões de vezes por dia na atmosfera da Terra e nada terrível acontece”.

Os cientistas, os sérios, esperam que a liberação maciça de energia causada pelo choque das partículas seja capaz de recriar as condições que existiam no universo imediatamente após o Big Bang, a grande explosão que deu origem ao nosso universo. Esses mesmos cientistas esperam que o LHC ajude a resolver algumas das questões mais fundamentais sobre a natureza do mundo, revelando os segredos da chamada matéria escura. Uma das questões que despertam maior expectativa diz respeito à partícula Bóson de Higgs, chamada às vezes de “partícula Deus”, a mais procurada pelos físicos. Os pesquisadores acreditam que ela dê massa a tudo o que existe, e encontrá-la seria crucial para a nossa compreensão do universo. Hawking, no entanto, diz ter apostado cem libras (cerca de US$ 170) que o acelerador não vai encontrá-la.

“Acho que vai ser muito mais interessante se não encontrarmos (a partícula de) Higgs. Isso vai mostrar que algo está errado, e que precisamos pensar de novo”, afirmou. “Fiz uma aposta de cem libras que não vamos encontrar a Higgs.”

Em 1974, Stephen Hawking defendeu a idéia de que devido a efeitos quânticos, buracos negros primordiais criados durante o Big Bang poderiam “evaporar” por um processo hoje chamado de Radiação Hawking, em que partículas de matéria seriam emitidas. De acordo com esta teoria, quanto menor o tamanho do micro buraco negro, mais rápido o índice de evaporação, resultando em explosões repentinas de partículas. No passado, Hawking fez piadas e chegou a dizer que se o LHC realmente criasse buracos negros, e mesmo se eles durassem muito pouco tempo, isso poderia lhe valer um prêmio Nobel. Hoje, no entanto, o físico britânico diz não acreditar que isso seja iminente.

“Se o LHC produzisse pequenos buracos negros, não penso que haja qualquer dúvida de que eu ganharia um prêmio Nobel, se eles mostrassem as propriedades que eu prevejo”, afirma Hawking. “No entanto, acho que a probabilidade de que o LHC tenha energia suficiente para criar buracos negros é menor do que 1%”, acrescentou. “Então, não estou contando com isso.”


www.oficinadoestudante.com.br


Perigos do LHC

Prof. Anderson Dino

O LHC – sigla para Large Hadron Collider ou em português, Grande Colisor de Hádrons – é um superacelerador de partículas situado nos Alpes Suiços, que entrou em funcionamento de 2008. No LHC, campos magnéticos são gerados com temperaturas mais frias que o espaço sideral, e os prótons, um tipo de hádron, são acelerados com velocidades acima de 99% da velocidade da luz, até se colidirem uns com os outros.

Muitos cientistas, e apocalípticos de plantão, disseram que o LHC seria a Máquina do Juizo Final, porque poderia destruir o planeta, caso entrasse em funcionamento, porque geraria um pequeno buraco negro que engoliria todo o planeta Terra e o Sistema Solar em questão de minutos. Balela! Não há nenhum perigo para o planeta com o funcionamento do LHC. Se você não acredita em mim, pelo menos acredite no Stephen Hawking, o maior físico vivo, que entende do assunto.

“Se as colisões no LHC criarem um micro buraco negro, e isso é pouco provável, ele apenas evaporará novamente, produzindo padrões característicos de partículas”, disse Hawking. E ainda acrescenta: “Colisões com essas, e ainda maiores, quantidades de energia ocorrem milhões de vezes por dia na atmosfera da Terra e nada terrível acontece”.


Os cientistas, os sérios, esperam que a liberação maciça de energia causada pelo choque das partículas seja capaz de recriar as condições que existiam no universo imediatamente após o Big Bang, a grande explosão que deu origem ao nosso universo. Esses mesmos cientistas esperam que o LHC ajude a resolver algumas das questões mais fundamentais sobre a natureza do mundo, revelando os segredos da chamada matéria escura. Uma das questões que despertam maior expectativa diz respeito à partícula Bóson de Higgs, chamada às vezes de “partícula Deus”, a mais procurada pelos físicos. Os pesquisadores acreditam que ela dê massa a tudo o que existe, e encontrá-la seria crucial para a nossa compreensão do universo. Hawking, no entanto, diz ter apostado cem libras (cerca de US$ 170) que o acelerador não vai encontrá-la.

“Acho que vai ser muito mais interessante se não encontrarmos (a partícula de) Higgs. Isso vai mostrar que algo está errado, e que precisamos pensar de novo”, afirmou. “Fiz uma aposta de cem libras que não vamos encontrar a Higgs.”


Em 1974, Stephen Hawking defendeu a idéia de que devido a efeitos quânticos, buracos negros primordiais criados durante o Big Bang poderiam “evaporar” por um processo hoje chamado de Radiação Hawking, em que partículas de matéria seriam emitidas. De acordo com esta teoria, quanto menor o tamanho do micro buraco negro, mais rápido o índice de evaporação, resultando em explosões repentinas de partículas. No passado, Hawking fez piadas e chegou a dizer que se o LHC realmente criasse buracos negros, e mesmo se eles durassem muito pouco tempo, isso poderia lhe valer um prêmio Nobel. Hoje, no entanto, o físico britânico diz não acreditar que isso seja iminente.

“Se o LHC produzisse pequenos buracos negros, não penso que haja qualquer dúvida de que eu ganharia um prêmio Nobel, se eles mostrassem as propriedades que eu prevejo”, afirma Hawking. “No entanto, acho que a probabilidade de que o LHC tenha energia suficiente para criar buracos negros é menor do que 1%”, acrescentou. “Então, não estou contando com isso.”


www.oficinadoestudante.com.br

Conheça outras atividades

Saiba Mais