• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp
  • banner aprovados

Oficina debate

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Oficina Debate - Cotas nas univesidades públicas

Modelo de ação implantado em alguns países para amenizar as desigualdades sociais, econômicas e educacionais entre raças, as cotas raciais foram ponto de debate promovido pela Oficina do Estudante, neste sábado, dia 24, na Arena Oficina.

Participaram do debate o Reitor da Unicamp, Tadeu Jorge e o presidente do Movimento Negro Unificado, Reginaldo Bispo.

O assunto é normalmente polêmico pela pluralidade de opiniões. Por um lado é inegável que o país tem uma dívida histórica com negros e indígenas. Por outro, existem casos em que as cotas raciais já prejudicaram pessoas que perderam vagas ou empregos para concorrentes com menor pontuação ou qualificação.

Cotas no Brasil

Os sistemas de cotas raciais ganharam visibilidade no Brasil a partir dos anos 2000, quando universidades e órgãos públicos passaram a aplicar a medida em vestibulares e concursos. A Universidade de Brasília (UnB) foi a primeira instituição de ensino do país a adotar o sistema, em junho de 2004.

O sistema de cotas raciais no Brasil não favorece apenas a população negra. Diversas instituições públicas fornecem reserva de vagas ou empregos para indígenas e seus descendentes. Algumas universidades também destinam parte de suas vagas para candidatos pardos.


Modelo de ação implantado em alguns países para amenizar as desigualdades sociais, econômicas e educacionais entre raças, as cotas raciais foram ponto de debate promovido pela Oficina do Estudante, neste sábado, dia 24, na Arena Oficina.

Participaram do debate o Reitor da Unicamp, Tadeu Jorge e o presidente do Movimento Negro Unificado, Reginaldo Bispo.

O assunto é normalmente polêmico pela pluralidade de opiniões. Por um lado é inegável que o país tem uma dívida histórica com negros e indígenas. Por outro, existem casos em que as cotas raciais já prejudicaram pessoas que perderam vagas ou empregos para concorrentes com menor pontuação ou qualificação.


Cotas no Brasil

Os sistemas de cotas raciais ganharam visibilidade no Brasil a partir dos anos 2000, quando universidades e órgãos públicos passaram a aplicar a medida em vestibulares e concursos. A Universidade de Brasília (UnB) foi a primeira instituição de ensino do país a adotar o sistema, em junho de 2004.

O sistema de cotas raciais no Brasil não favorece apenas a população negra. Diversas instituições públicas fornecem reserva de vagas ou empregos para indígenas e seus descendentes. Algumas universidades também destinam parte de suas vagas para candidatos pardos.

Veja outras atividades da Oficina Debate

Saiba Mais