• banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp

Gramaticando

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Fonética Básica: Fonema, Dígrafo e Encontros

23 de Novembro de 2012

Oi, gente, tudo bom com vocês? Não sei se vocês já repararam, mas existem diversos campos de estudo na área da gramática. Podemos citar a sintaxe, a morfologia e, também, a fonética, que será o foco de hoje.
ATENÇÃO: os conceitos abordados nessa publicação são EXTREMAMENTE básicos, servem apenas como uma introdução para a área da fonética, que é muito mais complexa. Alguns termos ou representações foram simplificados propositalmente. São apenas informações ilustrativas que podem facilitar o aprendizado de um aluno de ensino médio e cursinho, ok?
Enfim, vamos a ela?
Simplificando, podemos dizer que a fonética estuda os “sons” que compõem uma palavra. Quando você pronuncia uma palavra, está usando vários FONEMAS, que podem ser tanto vocálicos quanto consonantais.
Note o exemplo da palavra “pato”. Ela possui quatro fonemas (P-A-T-O), sendo dois consonantais (P-T) e dois vocálicos (A-O).
“Então... Fonema é a mesma coisa que letra?”
Na verdade, NÃO. Para exemplificar, repare nas palavras “rato” e “carro”. É notável que possuem número diferente de letras (quatro na primeira e cinco na segunda), porém, possuem o mesmo número de fonemas.


“Como assim?”
O som do “r” de “rato” não é o mesmo que o “rr” de carro produz? (Note: R-A-T-O, C-A-R-O). As duas letras (rr) produziram apenas um som, apenas um fonema (R). O mesmo ocorre na palavra “guerra”, que possui seis letras, mas apenas quatro fonemas (G-E-R-A). Isso ocorre porque as letras “gu” produzem apenas um som, assim como o já explicado “rr”.
“Entendi, existem casos em que duas letras representarão apenas um som. Existe um nome para isso?”
Sim, são os DÍGRAFOS. Um dígrafo é exatamente isso, duas letras que representam apenas um som. É extremamente comum a ocorrência deles no nosso idioma.
Porém, não confunda dígrafos com “ENCONTROS”. Compare a palavra “nascer” com a palavra “máscara”. Em ambas, as letras “s” e “c” aparecem em sequência, mas a sonoridade é extremamente diferente (N-A-S-E-R e M-A-S-C-A-R-A). Viu que no primeiro caso o “sc” produz apenas um som e no segundo caso dois? Essa é a diferença entre um DÍGRAFO e um ENCONTRO CONSONANTAL. Sintetizando-os, temos:
DÍGRAFO: duas letras que representam apenas um som.
ENCONTRO CONSONANTAL: duas consoantes que aparecem juntas na palavra e ambas produzem seu próprio som.

Para testar se você realmente entendeu, teste analisando quais das palavras abaixo possuem dígrafos e/ou encontros consonantais.
1 – Amarrar
2 – Palavra
3 – Assustar
Se você localizou um dígrafo na primeira, um encontro consonantal na segunda e tanto um dígrafo quanto um encontro consonantal na terceira, acertou!
Espero que o conceito foi entendido. Qualquer coisa, entre em contato. Um beijo no coração e até a próxima!
Ivan Perina, professor de Língua Portuguesa e Graduando em Letras pela UNICAMP
Para ler mais, acesse www.ivanperina.webnode.com



Oi, gente, tudo bom com vocês? Não sei se vocês já repararam, mas existem diversos campos de estudo na área da gramática. Podemos citar a sintaxe, a morfologia e, também, a fonética, que será o foco de hoje.
ATENÇÃO: os conceitos abordados nessa publicação são EXTREMAMENTE básicos, servem apenas como uma introdução para a área da fonética, que é muito mais complexa. Alguns termos ou representações foram simplificados propositalmente. São apenas informações ilustrativas que podem facilitar o aprendizado de um aluno de ensino médio e cursinho, ok?
Enfim, vamos a ela?
Simplificando, podemos dizer que a fonética estuda os “sons” que compõem uma palavra. Quando você pronuncia uma palavra, está usando vários FONEMAS, que podem ser tanto vocálicos quanto consonantais.
Note o exemplo da palavra “pato”. Ela possui quatro fonemas (P-A-T-O), sendo dois consonantais (P-T) e dois vocálicos (A-O).
“Então... Fonema é a mesma coisa que letra?”
Na verdade, NÃO. Para exemplificar, repare nas palavras “rato” e “carro”. É notável que possuem número diferente de letras (quatro na primeira e cinco na segunda), porém, possuem o mesmo número de fonemas.



“Como assim?”
O som do “r” de “rato” não é o mesmo que o “rr” de carro produz? (Note: R-A-T-O, C-A-R-O). As duas letras (rr) produziram apenas um som, apenas um fonema (R). O mesmo ocorre na palavra “guerra”, que possui seis letras, mas apenas quatro fonemas (G-E-R-A). Isso ocorre porque as letras “gu” produzem apenas um som, assim como o já explicado “rr”.
“Entendi, existem casos em que duas letras representarão apenas um som. Existe um nome para isso?”
Sim, são os DÍGRAFOS. Um dígrafo é exatamente isso, duas letras que representam apenas um som. É extremamente comum a ocorrência deles no nosso idioma.
Porém, não confunda dígrafos com “ENCONTROS”. Compare a palavra “nascer” com a palavra “máscara”. Em ambas, as letras “s” e “c” aparecem em sequência, mas a sonoridade é extremamente diferente (N-A-S-E-R e M-A-S-C-A-R-A). Viu que no primeiro caso o “sc” produz apenas um som e no segundo caso dois? Essa é a diferença entre um DÍGRAFO e um ENCONTRO CONSONANTAL. Sintetizando-os, temos:
DÍGRAFO: duas letras que representam apenas um som.
ENCONTRO CONSONANTAL: duas consoantes que aparecem juntas na palavra e ambas produzem seu próprio som.


Para testar se você realmente entendeu, teste analisando quais das palavras abaixo possuem dígrafos e/ou encontros consonantais.
1 – Amarrar
2 – Palavra
3 – Assustar
Se você localizou um dígrafo na primeira, um encontro consonantal na segunda e tanto um dígrafo quanto um encontro consonantal na terceira, acertou!
Espero que o conceito foi entendido. Qualquer coisa, entre em contato. Um beijo no coração e até a próxima!
Ivan Perina, professor de Língua Portuguesa e Graduando em Letras pela UNICAMP
Para ler mais, acesse www.ivanperina.webnode.com