• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp
  • banner aprovados

Gramaticando

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

Top 10 inadequações gramaticais (ou não) em redações – Parte 2

25 de Junho de 2012

Top 10 inadequações gramaticais (ou não) em redações – Parte 2

E aí, gente! Tudo bom com vocês? Vamos agora à segunda parte dos dez erros gramaticais mais comuns em redação. Atenção que, além de terem maior frequência, são os que mais pesam para descontar sua nota... Vamos a eles?



Número 5 – Concordância

Cuidado com a concordância no seu texto. Lembre-se sempre de mantê-la entre os termos (gênero e número, por exemplo). Os erros mais frequentes ocorrem em períodos muito extensos, nos quais são mais fáceis de se esquecer da concordância.



Exemplo do que NÃO deve ser feito: As pessoas costumam ter atitudes estranhas e fora que é esperado, que contraria a lógica da população mundial e incomoda muita gente.



Número 4 – Colocação Pronominal

Cuidado com a colocação dos pronomes oblíquos átonos (os que funcionam como objeto da oração, tipicamente me; te; se, o, a, lhe; nos; vos; se, os, as, lhes). Tais pronomes não podem aparecer no início da oração, ou seguidos de sinais de pontuação. Nos outros casos, recomenda-se a próclise (iniciar a frase com pronome oblíquo).



Exemplo do que NÃO deve ser feito: Me chamo Ivan (o correto seria “Eu me chamo Ivan”) - Não chamo-me Ivan (o correto seria “Não me chamo Ivan).


Número 3 – Repetições

Evite repetir muitas vezes o termo. Isso é extremamente comum e prejudica muito a coesão e fluidez da leitura. Note o exemplo abaixo do que não deve ser feito, que já contem dicas.



Exemplo do que NÃO deve ser feito: Repetições da mesma palavra prejudicam o texto, uma vez que a mesma palavra dita várias vezes torna a leitura daquela palavra estranha e irritante para o corretor que lerá a palavra. Recomendo que encontre um sinônimo dessa palavra e que assim não tenha que repetir tanto a palavra em questão.



Número 2 – Acentuação



Sempre é válido relembrar as regras de acentuação. A ausência de um acento ou outro não configura a perda de pontos. Porém, normalmente quando uma pessoa erra algum acento, costuma errar todos da mesma regra. As três regras que mais são esquecidas são:



Paroxítonas terminadas em ditongo crescente: SEMPRE são acentuadas (férias, influência, ciência)



Oxítonas terminadas em A/E/O: SEMPRE são acentuadas (busca-lo, socorrê-la, Pará, avô)



Proparoxítonas: SEMPRE levam acento (crônica, sílaba, simpático)


Número 1 – Pontuação

Pontuação é a maior causa de erros em redações. Primeiramente, recomenda-se sempre que usem períodos curtos. Evite frases longas, são mais difíceis de pontuar. Por fim, atenção extrema ao uso de vírgulas. As principais formas de se errar a vírgula são:



Adjunto Adverbial deslocado: Sempre isolado por vírgulas (Eu, particularmente, não concordo).



Vocativo: Sempre separado por vírgulas (Boa tarde, alunos!)



E não se esqueça disso: NUNCA, JAMAIS, EM HIPÓTESE ALGUMA, separe sujeito do verbo com vírgula.



Exemplo do que NÃO deve ser feito: A época moderna onde todos vivemos atualmente, passa por mudanças (aliás, essa frase possui várias inadequações aqui listadas. Caso não notou, releia o artigo anterior)



E então, ficou claro o conceito? Qualquer dúvida, entre em contato.



Um beijo no coração e até a próxima.



Ivan Perina, professor de Língua Portuguesa, Graduando em Letras pela UNICAMP



Top 10 inadequações gramaticais (ou não) em redações – Parte 2

E aí, gente! Tudo bom com vocês? Vamos agora à segunda parte dos dez erros gramaticais mais comuns em redação. Atenção que, além de terem maior frequência, são os que mais pesam para descontar sua nota... Vamos a eles?



Número 5 – Concordância

Cuidado com a concordância no seu texto. Lembre-se sempre de mantê-la entre os termos (gênero e número, por exemplo). Os erros mais frequentes ocorrem em períodos muito extensos, nos quais são mais fáceis de se esquecer da concordância.



Exemplo do que NÃO deve ser feito: As pessoas costumam ter atitudes estranhas e fora que é esperado, que contraria a lógica da população mundial e incomoda muita gente.



Número 4 – Colocação Pronominal

Cuidado com a colocação dos pronomes oblíquos átonos (os que funcionam como objeto da oração, tipicamente me; te; se, o, a, lhe; nos; vos; se, os, as, lhes). Tais pronomes não podem aparecer no início da oração, ou seguidos de sinais de pontuação. Nos outros casos, recomenda-se a próclise (iniciar a frase com pronome oblíquo).



Exemplo do que NÃO deve ser feito: Me chamo Ivan (o correto seria “Eu me chamo Ivan”) - Não chamo-me Ivan (o correto seria “Não me chamo Ivan).


Número 3 – Repetições

Evite repetir muitas vezes o termo. Isso é extremamente comum e prejudica muito a coesão e fluidez da leitura. Note o exemplo abaixo do que não deve ser feito, que já contem dicas.



Exemplo do que NÃO deve ser feito: Repetições da mesma palavra prejudicam o texto, uma vez que a mesma palavra dita várias vezes torna a leitura daquela palavra estranha e irritante para o corretor que lerá a palavra. Recomendo que encontre um sinônimo dessa palavra e que assim não tenha que repetir tanto a palavra em questão.



Número 2 – Acentuação



Sempre é válido relembrar as regras de acentuação. A ausência de um acento ou outro não configura a perda de pontos. Porém, normalmente quando uma pessoa erra algum acento, costuma errar todos da mesma regra. As três regras que mais são esquecidas são:



Paroxítonas terminadas em ditongo crescente: SEMPRE são acentuadas (férias, influência, ciência)



Oxítonas terminadas em A/E/O: SEMPRE são acentuadas (busca-lo, socorrê-la, Pará, avô)



Proparoxítonas: SEMPRE levam acento (crônica, sílaba, simpático)


Número 1 – Pontuação

Pontuação é a maior causa de erros em redações. Primeiramente, recomenda-se sempre que usem períodos curtos. Evite frases longas, são mais difíceis de pontuar. Por fim, atenção extrema ao uso de vírgulas. As principais formas de se errar a vírgula são:



Adjunto Adverbial deslocado: Sempre isolado por vírgulas (Eu, particularmente, não concordo).



Vocativo: Sempre separado por vírgulas (Boa tarde, alunos!)



E não se esqueça disso: NUNCA, JAMAIS, EM HIPÓTESE ALGUMA, separe sujeito do verbo com vírgula.



Exemplo do que NÃO deve ser feito: A época moderna onde todos vivemos atualmente, passa por mudanças (aliás, essa frase possui várias inadequações aqui listadas. Caso não notou, releia o artigo anterior)



E então, ficou claro o conceito? Qualquer dúvida, entre em contato.



Um beijo no coração e até a próxima.



Ivan Perina, professor de Língua Portuguesa, Graduando em Letras pela UNICAMP



Conheça outras atividades

Saiba Mais