• banner bolsa de estudo
  • banner aprovação medicina
  • banner aprovados unicamp
  • banner aprovados

Bixo Aprovado

  • Compartilhar
  • Oficina do Estudante no Facebook
  • Oficina do Estudante no Twitter
  • Imprimir Imprimir

FELIPPE AUGUSTO TOSSINI, MEDICINA - UNICAMP, USP, UNESP, UFMG, UNIFEST, PUC-CAMPINAS


O calouro Felippe Augusto Tossini passou nas melhores faculdades de medicina do Brasil, no vestibular 2019. Foi aprovado em cinco faculdades públicas - Unicamp, USP, Unesp, UFMG e Unifest - e na PUC-Campinas, onde ganhou bolsa de 100%. Escolheu Unicamp, onde já cursava matemática. “Percebi que não era aquilo que queria. Fui procurar ajuda de orientação vocacional, psicológica, pra achar o meu rumo, pra me encontrar. E foi na medicina que eu me encontrei”. Tossini foi fazer cursinho na Oficina do Estudante. Fazia extensivo, das 7h às 18h. Acordava, tomava um café reforçado pra aguentar o dia. Tinha aula das 7h às 18h. Assistia às aulas, almoçava, tinha intervalo à tarde para tomar lanche e depois que terminavam as aulas, ficava estudando a matéria do dia até por volta das 21h, sem avançar muito na noite. “Eu não colocava uma carga muito pesada de estudos porque a gente já tinha muito conteúdo e já fazia muito exercício em sala. Às 21h, eu encerrava o expediente, tomava banho, jantava, ficava um pouco com a minha família e ia dormir. Aos finais de semana, eu me preparava pro simulado, e quando dava eu saia pra correr, pra dar uma relaxada. Tive que dar uma freada nas coisas que eu gostava de fazer”, ensina.

Oficina: Qual foi sua sensação ao ver o nome na lista de aprovados?

Aluno: Eu tô bem feliz. Tô extasiado. Escolhi a Unicamp porque era meu sonho.

Oficina: Quais são as suas dicas para quem quer passar no vestibular?

Aluno: Procure ajuda de professores, de coordenadores. Não tenha vergonha de pedir ajuda da orientação vocacional, de psicólogo. Não tenha medo de procurar ajuda quando a coisa aperta, quando fica difícil. Não tenha medo de chamar alguém. O que fez diferença pra mim foi ter procurado ajuda. E eu aconselho os vestibulandos a terem resiliência porque não vai ser fácil. Quem já passou pelo cursinho e mesmo quem vai começar sabe como é bem pesado. Tem que pensar em se fortalecer e em aprender com os erros. É ter essa determinação de que este ano eu vou me cuidar, eu vou estudar e vou alcançar esse sonho. Não pense que não vai dar certo, que esse sonho é muito distante. Tenha bastante força, bastante garra e acredite que é possível. Com trabalho duro e determinação é possível conseguir, sim. Além disso, tenha bastante calma. Tente não ficar tão ansioso e não se cobrar tanto. Entenda as suas limitações e veja até aonde consegue ir.

Oficina: Qual foi a importância da Oficina nessa sua vitória?

Aluno: Toda semana eu tinha avaliação na coordenação (do pré-vestibular) pra avaliar desempenho, e, ao mesmo tempo que eu fazia isso, eles me motivavam. Diziam: - fica tranquilo, vai dar certo. Durma e coma bem, cuide de você porque nós estamos cuidando de você também.

Oficina: Qual foi o momento mais difícil e como você conseguiu superá-lo?

Aluno: A decisão de deixar a faculdade pra fazer um curso preparatório não foi nada fácil. Foi trocar o certo pelo duvidoso. Eu já tava com uma vaga em um excelente curso de matemática, em um dos melhores cursos da América Latina, pra trocar por um ano de cursinho. No começo, a minha família foi um pouco resistente – o que é natural. Não foi uma decisão fácil, mas agora eu vejo que foi supercorreta.